Homenagem ao som do sul

Hoje trago um desejo de postar algo sobre nossa cultura. Começo com um grande amigo meu e alguém que admiro, compositor Sérgio Napp (Desgarrados). Depois continuarei com Fogaça e outros mais.

Reforço que esse orgulho gaúcho nada tem a ver com ser metido a macho ou melhor que os outros. Isso é apenas uma manifestação de um povo que tem história, e não se envergonha dela. Isso não nos faz arrogantes, mas nos faz saudosos, com uma alegria de viver. Espero que você também seja contagiado pelo embalo das melodias.

Espero que gostem, principalmente quem não é do sul.

LPM/designer.

Tilt-Shift da Lucas de Oliveira – Não é maquete!

A nova tendência e febre é a linguagem visual Tilt-Shift. Uma linguagem que transforma o que é real em maquete. Na verdade “engana”o olho. Assim como em alguns anos atrás surgiu o “trompe l oeil” (“engana o olho” – termo em francês) nos mostravam pinturas que pareciam ser realidade. Agora o Tilt-Shift nos leva através do caminho oposto: o real parecendo irreal. As características são simples e básicas pra quem trabalha com imagem. Você pode usar uma lente especial, montar uma ou proceder assim em softwares de manipulação de imagem (ex. Photoshop) ou vídeo. Como eu não possuo câmera ou lentes profissionais (apenas uma câmera semi-pro) resolvi manualmente. Explico como fiz:

Primeiro temos um desfoque periférico, somente o que está bem ao centro tem foco – isto remete à fotos tiradas em modo “macro” nas câmeras. Como as fotos que se tiram de miniaturas, de objetos muito pequenos ou com uma aproximação de centímetros ou milímetros da lente.

Segundo temos um alto contraste. As cores são vivas, assim como todos os brinquedos e produtos produzidos artificialmente. A luz artificial também traz este resultado.

Agora em terceiro lugar temos outro detalhe que alguns artistas não utilizam: há um leve tom escurecido radialmente gradual ao se afastar do centro. Assim como o foco, quanto mais longe dele (foco – centro e assunto da foto) mais escuro e mais fora de foco será. Porém o foco tem uma diferença gritante, ao passo que o tom mais escuro é muito suave. Não é obrigatório para o efeito, auxilia em alguns casos.

Além disto temos um quarto e último ponto que podemos resumir esta técnica: no caso de vídeo, além de todos estes passos ainda temos que ter uma reprodução não linear. Como não sou do ramo do vídeo, não saberei explicar de forma tecnicamente clara.

Aqui coloco 2 imagens que fiz em Porto Alegre, na Lucas de Oliveira. A primeira sem efeito e sem tratamento nenhum (tirada com máquina portátil). A segunda com efeitos e tratamento dado no Photoshop.

Mais sobre isto na sequência.

Caso seja interessante posso passar umas dicas num próximo post.

+info

LPM/designer


Lucas de Oliveira – nov/09 – Porto Alegre / RS (sem efeito)


Lucas de Oliveira – nov/09 – Porto Alegre / RS (COM efeito)


Imagem da internet [+info]

Vídeo do YouTube [+info]

Vídeo do YouTube

Campanha CLARO ESCOLHA: Plágio ou inspiração? VOTE!

Assista e vote!

Anterior << Clipe SOUR (Hibi no neiro)

.

Posterior >> Campanha da Claro “Escolha”

Mais sobre este clipe: +info